O Guru olhou à sua volta procurando seus discípulos sentados na clareira. Alguns estavam memorizando textos, outros os estavam copiando, mas – todos – completamente concentrados em seus afazeres. Todos, exceto um. Como de costume, distraído, o menino seguia com os olhos a borboleta colorida que dançava à sua frente, pousando nas flores radiantes da estação. Com um suspiro, o Mestre pediu para o garoto se aproximar e pensou: “Hoje, terei de ser severo com ele. Deverei fazê-lo compreender que deve estudar e não levar uma vida ociosa.”.

borboletas

– Você pode repetir o verso para mim? Pediu.

A criança, apenas, abaixou a cabeça. É claro que não podia.

– Então, leia-o para mim! Insistiu.

Mesmo isso era demais para o menino. Ele tropeçava e hesitava, até que – finalmente – desistiu.

O Mestre lhe disse:

– Tenho sido bastante paciente. Hoje, você terá de ser punido e amanhã e depois também. Até aprender a ler e recitar este simples verso. Estenda a mão.

Sabendo o que ia acontecer, a criança – relutantemente – estendeu a pequenina palma de sua mão quando o Guru ameaçou levantar o bastão. Depois de um momento, o Mestre falou com compaixão:

palma-da-mao– Pode ir, não é sua culpa que não possa estudar. A linha do conhecimento não está na sua mão.

Naquele instante, a expressão do menino mudou.

– É verdade, senhor? Não há a linha do conhecimento na minha mão? Por favor, mostre onde essa linha deveria estar.

O Mestre riu por esse interesse súbito do garoto e mostrou-lhe a linha em sua própria mão. Antes que ele compreendesse o que estava acontecendo, o menino pegou uma caneta pontiaguda e riscou a linha profundamente em sua palma. Fechando a mãozinha com força, temendo que o rabisco pudesse fugir, ele disse:

– Olhe, eu fiz a linha. E prometo-lhe, senhor, que estudarei duro para que não fique mais envergonhado,  – disse o discípulo mirim.

O Guru ficou comovido pelo comprometimento da pequena figura e abençoou-o, dizendo:

– Com tanta coragem e determinação, certamente você se tornará um excelente professor.

E de fato aconteceu. Esse menino tornou-se conhecido como Panini, o renomado gramático indiano, e até os dias de hoje seu trabalho auxilia estudantes de sânscrito a melhor compreenderem a língua. Mesmo dois mil anos depois de sua morte.

 

contar-historiasContar histórias é uma verdadeira arte. Nesse livro, a escritora Alessandra Giordano dá dicas de como desenvolver essa técnica e possibilitar agradáveis momentos de encantamento em grupo.

Contar Histórias: http://www.omnisciencia.com.br/contar-historias/p


Via: http://www.culturadapaz.com.br/a-linha-do-conhecimento/