*Artigo de Gabriel Salomão, extraído do Lar Montessori

Seu filho passa dez minutos brincando no banho, e isso o faz dormir melhor. Você decide deixar que ele brinque com as panelas, e fica mais fácil estudar depois. Crianças que têm mais liberdade para brincar também são crianças de convivência suave. Crianças de qualquer temperamento e personalidade, uma vez concentradas, são mais felizes, têm mais iniciativa, mais sucesso no que fazem, lidam melhor com frustração e compreendem melhor orientações. Por quê? E como ajudar a criança a se concentrar?

A criança que se concentra
é imensamente feliz.

A frase é de Maria Montessori, mas poderia ser de qualquer grande universidade contemporânea. A concentração é uma das características-chave do desenvolvimento infantil, e embora isso tenha sido descoberto pela primeira vez no começo do século XX, recentemente a concentração foi relacionada a um grupo de funções cerebrais chamadas funções executivas e diretamente relacionada a um desenvolvimento emocional positivo, a melhor desempenho acadêmico e a uma socialização mais saudável. Por que isso acontece?

Quando a criança se concentra, penetra em uma realidade interior que não é acessada sem concentração. Sem concentração, a criança precisa só fazer coisas. Precisa dar conta de tarefas, cumprir ordens, obedecer, controlar-se. Mas não entra em contato com o que acontece dentro dela mesma. Está ocupada demais fora.

Quando se concentra, acontece o contrário. O mundo exterior só existe até as mãos dela. O interior aparece. Ela lida com a sua resiliência, com frustrações, com novos desafios, com a sensação de sucesso e vitória, e a sensação de fracasso, lida com pensamentos, emoções, com seu discurso interior… E na medida em que compreende melhor o que acontece dentro dela, consegue viver melhor fora.

A concentração está mesmo relacionada à felicidade. Mas é mais que isso. Ela está relacionada a propósito. Quando a criança se concentra, não faz as coisas por fazer. Faz porque as coisas fazem sentido. E isso é raro nas vidas das crianças e dos adultos. Num mundo em que na maior parte do tempo se faz coisas porque elas têm que ser feitas, ou porque queremos nos distrair, a concentração é um portal. Para um mundo diferente. Para um desenvolvimento saudável.

A criança sabe de tudo isso. Intuitivamente. Lá dentro. Porque nasceu para se concentrar e se desenvolver da melhor maneira que puder. Por isso ela busca as panelas. Por isso ela tira as calças assim que consegue colocá-las. Por isso ela demora com os brinquedos no banho.

Nós podemos ajudar a criança a se concentrar. Em um texto sobre o assunto, explicamos como:

Como nasce a concentração? A concentração nasce do trabalho. Um trabalho muito especial, que envolva as mãos, a mente e o coração. Que seja interessante, agradável e envolva movimento. De todos os tipos possíveis de trabalho, os que conduzem mais facilmente à concentração são as atividades de independência – que em Montessori nós chamamos de atividades de Vida Prática.

As atividades de Vida Prática são as que permitem à criança se tornar independente do adulto. A criança sempre quer fazer coisas. Nos primeiros seis anos de vida o que mais quer é aprender a fazer as coisas sozinha. Para isso, precisa de nossa ajuda. Nós podemos:

  • Abaixar ítens da casa para que fiquem acessíveis para a criança.
    • Bandejas, travessas, utensílios de cozinha. Livros, roupas, sapatos. Vassouras, rodos, panos. Regadores para plantas, esponjas de banho, sabonete em pedaços.
  • Demonstrar como se usa cada um desses ítens.
    • Atividades de cortar, regar, lavar, limpar…
    • Podemos demonstrar em silêncio, para que a criança não se distraia com nossa voz, ou podemos falar sobre o que vamos fazer, com poucas palavras, e então fazer em silêncio.
    • Devemos demonstrar devagar, como se alguém estivesse nos ensinando a fazer algo muito, muito complexo.
    • E aí devemos convidar a criança para fazer.
  • As coisas que a criança já sabe usar devem ficar disponíveis para ela, enquanto houver interesse.
    • O interesse depende do desafio. Quando não houver mais desafio, o interesse desaparece.
    • Isso é um sinal de que podemos oferecer um desafio mais complexo naquela direção.
  • Depois que a criança estiver trabalhando, não interrompa.
    • “Nunca interrompa uma criança em alguma coisa que ela acha que pode fazer sozinha” – Montessori
    • “Nunca interrompa uma criança que progride, não importa quão lentamente” – Montessori

No começo pode ser um desafio entender que a criança deseja de verdade se concentrar, e pode ser um desafio maior ainda achar atividades que promovam a concentração. Não se intimide. A criança não vai se concentrar de uma vez. Primeiro ela vai se interessar, depois se tranquilizar, aí começar a ter algum foco, e só então se concentrar de verdade. A tranquilidade já é um presente precioso. Para ajudar você, escolhi alguns vídeos do incrível Voila Montessori, que estão numa playlist abaixo. Não se limite às ideias dos vídeos. Siga sua criança e os interesses dela.

 

https://www.youtube.com/watch?v=WKpjbugCyzM&index=1& 

https://www.youtube.com/watch?v=LAwwjY8XkXk&index=2&

https://www.youtube.com/watch?v=0qOUvVx3J1k&index=3&

https://www.youtube.com/watch?v=AqvWT_fN2ME&index=4&

https://www.youtube.com/watch?v=ZlE2MGjhOR8&index=5&

https://www.youtube.com/watch?v=alzX58o3Ujk&index=6&

https://www.youtube.com/watch?v=DBi-OcIHL0o&index=7&

 

Artigo original:

Como ajudar a criança a se concentrar – e porque isso importa

 

Curso Online – Introdução ao Método Montessori

Quer sugestões de práticas, baseadas no Método Montessori, para aplicação na família ou na escola? Dá só uma olhadinha no curso do Gabriel Salomão, que contém teoria e dicas simples de como transformar a relação com as crianças e contribuir para uma infância saudável:

https://bit.ly/2FQ82Xc