Gandhi

Os hábitos de economia de Mahatma Gandhi sempre surpreenderam seus seguidores. Um dia, Miraben (uma jovem inglesa que vivia no ashram de Gandhi) viu que ele procurava por alguma coisa por toda a sala. Vendo a preocupação em seu rosto, Miraben perguntou-lhe:

“O que o senhor está procurando?” “Perdeu alguma coisa?” “Sim”, disse Gandhi, “eu perdi um lápis”.  “De que tamanho ele era? Era um lápis novo?”, perguntou ela novamente, esperando ajudá-lo a encontrá-lo. “É o que eu estava usando, exatamente do tamanho do seu polegar.” Todos na sala admiraram por que Gandhi se sentia tão preocupado com um pequeno toco de lápis.

Alguém veio com um lápis novo e deu a Gandhi. “Eu não quero um lápis novo”, disse ele, “Quero o que tenho usado nas últimas três semanas.” A procura continuou e finalmente o toco de lápis perdido foi encontrado em um dos seus arquivos. “Ah!” disse Gandhi com um prazeroso sorriso, como se tivesse deixado de cometer um grave pecado.

Outra vez, Gandhi estava em viagem distante com  Miraben. Eles estavam hospedados em uma vila. Gandhi tinha por hábito tomar mel em sua refeição. Miraben, quando saiu do ashram, esqueceu-se de trazer a garrafa de mel. Então, comprou uma nova garrafa de mel em uma mercearia.

Tudo estava pronto para o lanche. Quando Gandhi tomou seu assento, seus olhos pousaram sobre a nova garrafa de mel e ele perguntou: “O que aconteceu com a garrafa de mel que estávamos usando?” – “Eu esqueci de trazê-la”, disse Miraben. “Por isso, você comprou uma nova!”, disse Gandhi, um pouco aborrecido. “O dinheiro que gastamos é dinheiro do povo. Não podemos pegar este dinheiro para desperdiçá-lo. Eu não posso comer deste mel, enquanto a garrafa que estávamos usando não estiver vazia.”

 

Gandhi fez exatamente o que disse. Ficou sem mel até a viagem terminar e eles voltarem para o ashram, onde a velha garrafa de mel o aguardava.
Conto extraído do livro Histórias para Crianças, Vinayak Krishna Gokak, Fundação Sai

Sugestões de leitura:

Gandhi, o Herói da Paz

Como um homem magro e miúdo, sem usar nenhuma arma, consegue libertar um país dominado por quase dois séculos? Como um homem pode ficar 21 dias sem beber ou comer e com isso transformar a vida de milhares de pessoas? Como um homem pode ter a coragem de se despojar de todos os seus pertences e, vestindo apenas um pedaço de tecido branco em volta do quadril, se transformar no maior ícone da paz mundial? Essa é a história de Gandhi.

 

 

Francisco, o Herói da Simplicidade

Como um jovem que vivia envolvido em algazarras e encrencas se transformou em um dos maiores santos da humanidade? Como alguém que, em sua juventude, saía correndo ao ver um leproso – de repente – mudou tanto a ponto de abraçar qualquer pessoa como se abraça o amigo mais querido? Como ele aprendeu a conversar com os animais, com a lua, com o vento?
Conheça a história de Francisco de Assis – também chamado de Irmão Sol – especialmente a sua trajetória até se transformar em herói da verdade, um guia que inspira simplicidade e sabedoria.

 

Madre Teresa, a Heroína da Bondade

Em uma linguagem simples e acessível, o livro conta a história de uma das maiores figuras femininas do século passado: Madre Teresa de Calcutá. Seguindo um chamado interior, Madre Teresa tornou-se um farol de luz a iluminar as pessoas esquecidas de nossa sociedade, devolvendo a todos os necessitados a sua dignidade, alegria e força para viver. Ao lado de Gandhi e Martin Luther King, Madre Teresa é reconhecida como uma das grandes fontes inspiradoras da Cultura da Paz

 


Via: http://www.culturadapaz.com.br/conto-gandhi-e-o-desperdicio/