“Foi em rostos, olhares e palavras que encontrei uma poderosa forma de alcançar a alma humana”

A fala é do fotógrafo, diretor e ambientalista Yann Arthus-Bertrand, que – em três anos – percorreu 63 países e entrevistou mais de duas mil pessoas para o seu documentário Humano – uma viagem pela vida. Nele, as espetaculares imagens aéreas que tornaram o fotógrafo reconhecido ao redor do mundo por conta de A Terra vista do céu, fazem a transição para os mais de cem depoimentos, tocantes, que tratam de temas universais do ser humano.

Perdão, amor, felicidade, dor, medo e muitos outros assuntos partilhados com uma câmera, num recorte fechado, que enaltece o rosto – sobretudo os olhos – de modo que a tela (do computador ou da televisão) se dilui para as almas conversarem: a de quem fala e a de quem ouve. É impossível não se emocionar. “A ideia é que haja uma profunda identificação, como se o espectador estivesse diante de um espelho”, contou Yann quando da estreia do documentário no Brasil, em outubro de 2016.

 

Leia também: Histórias que encantam vidas