A Aliança  pela Infância surgiu em 1997, na Inglaterra e nos Estados Unidos, quando um grupo de educadores preocupados em ampliar as oportunidades de as crianças vivenciarem esta importante fase da vida, deram início a um movimento internacional em defesa da infância.

Em 2001, ela chega ao Brasil pelas mãos da educadora alemã Ute Craemer, que em 1979 havia criado a Associação Comunitária Monte Azul –  uma experiência inovadora de intervenção social (saiba mais: http://www.monteazul.org.br/home.php).

Conversamos com essa importante figura de defesa dos direitos da criança que, na entrevista abaixo, nos fala sobre sua vasta experiência junto aos pequenos. Confira.

  • Comente os projetos realizados pela Aliança pela Infância no Brasil.

Dentro da Aliança pela Infância há projetos estratégicos. O objetivo principal é sensibilizar qualquer ser  humano da essência da alma da criança, sua abertura para o mundo terrestre e também para o mundo espiritual. Divulgamos  os valores essenciais da criança, principalmente por meio de publicações, como o livro “Caminhos para uma Aliança pela Infância”.

No nosso site, há muito material e, regularmente, realizamos campanhas, seminários e fóruns temáticos, que abordam: o impacto da mídia durante a infância, a alimentação saudável, violência doméstica, entre outros assuntos. Queremos propagar valores e, por isso, realizamos formação em escolas públicas e entidades sociais com o objetivo de criar multiplicadores. A campanha mais potente é a semana mundial do brincar – que em 2015 abrangeu mais de duzentos municípios.

  • Conte um pouco sobre sua vinda ao Brasil e o trabalho desenvolvido aqui.

Eu vim para trabalhar como voluntária em um projeto  realizado em favelas do Paraná. Gostei muito do Brasil e dos brasileiros, por isso resolvi me estabelecer por aqui. Fui professora Waldorf na Escola Waldorf Rudolf Steiner, em  São Paulo, e, como a questão da divisão de classes me incomodava, tentei criar uma ponte entre a classe média – que frequentava a escola – e a periferia da cidade. Com isso, surgiu o trabalho da Monte Azul, que mais tarde se profissionalizou. Isso faz mais de 30 anos. Trabalhei durante todo esse tempo na Associação Comunitária  Monte Azul, na zona sul de São Paulo, e – desde 2001 – estou na Aliança pela Infância. Primeiro, meu foco foi a pobreza. Depois se ampliou, pois percebi que esse não é o único obstáculo à infância.

  • Como surgiu o trabalho na Monte Azul? Que alcance ele tem hoje?
monte_azul

Ute Craemer, Associação Monte Azul

Com o objetivo de fazer uma ponte entre estas crianças de classe média das escolas Waldorf com crianças que moravam na favela, busquei promover a troca de experiências, assim, todas saíam ganhando. As crianças mais pobres tinham uma vida de pequeno adulto, mal podiam brincar, e os alunos das escolas Waldorf tinham valores, mas não uma visão de igual para igual com esta parte do Brasil – que é negligenciada.  O importante é fazer vê-las que todas são seres humanos. Com crianças, não dá só para falar. É preciso haver a experiência.

A Monte Azul é reconhecida no Brasil e internacionalmente por suas atividades. Somos chamados para palestras, para participar de mesas redondas…Também participamos do ConPaz – O Conselho Parlamentar para Cultura de Paz, em São Paulo.

  • Um dos temas que mais aborda em palestras é: resiliência. De que se trata?

Resiliência é um conceito que surgiu em pesquisas nos anos 70. Tem certos pontos principais na vida de uma criança onde ela deve criar um esteio interior para poder arcar com os obstáculos da vida adulta. Um destes pontos é o vínculo com uma pessoa de confiança: podem ser os pais, aliás, deveriam ser os pais, mas há situações em que eles não têm condições, então pode ser qualquer outra figura que convive e ouve a criança. A palavra resiliência vem da física: se você aperta uma bola, ela pode até apresentar uma marca, mas permanecerá sendo redonda. Depois de um tempo, ela se refaz…manterá a sua forma habitual. Fazendo a analogia com a criança, esta figura que lhe servirá de referência vai assegurar a sua integridade. É o que faz um bom educador, por exemplo. A falta de afeto e suporte nos primeiros anos de vida pode acarretar em uma adolescência complicada.

  • De que forma a nossa sociedade deveria se organizar para melhorar o futuro da criança?

O básico seria entender melhor a alma da criança. Não achar que é um pequeno adulto, realmente tentar compreender. Isso significa: amar, respeitar aquilo que a criança traz como dela. É necessário abandonar a visão de mercado. Ela não pode ser enquadrada. Está trazendo algo novo, então é preciso desenvolver a alma para que ela possa viver livremente. O que se faz hoje em dia? Dão a ela um computador, quando deveria brincar, inclusive já na creche . É um desrespeito total. Ferem a dignidade humana, os direitos da criança.

Além disso, é necessário ver a infância como um todo. Acho que deveríamos ter uma secretaria da infância, ao menos na primeira infância.

  • Por favor, deixe uma mensagem final.

As crianças devem brincar e não consumir – como os adultos querem. Brinquem com coisas naturais, ela precisa se sujar, conhecer o mundo real.

Queremos fazer um parque dos sentidos, para se ter uma percepção da vida vivida, real, não só de plástico e virtual.

 

Conheça alguns títulos de Ute Craemer:

 

transformar-e-possivel

http://www.omnisciencia.com.br/transformar-e-possivel/p

 

criancas-entre-luz-e-sombras

http://www.omnisciencia.com.br/criancas-entre-luz-e-sombras/p

 

curriculo-social-na-escola

http://www.omnisciencia.com.br/curriculo-social-na-escola/p

 

Sites que podem interessar:

Aliança pela Infância: http://www.aliancapelainfancia.org.br/

Associação Comunitária Monte Azul: http://www.monteazul.org.br/home.php


Via: http://www.culturadapaz.com.br/ute-craemer-uma-entrevista-sobre-educacao-e-infancia-saudavel/