Talvez uma das imagens mais caricatas da infância seja aquela na qual a criança diz “não” ao que o adulto pede para ela fazer. Quando isso acontece, é comum que – no calor da hora – a resposta automática seja: “é sim!”, abrindo espaço para uma guerra de poder que não leva a lugar nenhum. Só a conflito. 

Então, que postura adotar nesse caso?

Faz parte do amadurecimento da criança o desejo e a necessidade de desenvolver a autonomia. Quando ela nega aquilo que lhe é solicitado, na verdade, está querendo dizer que não precisa que ninguém mande nela. Ela se deu conta de que pode fazer coisas sem ajuda, então começa a “se achar” (boa essa expressão, né? Ela está adquirindo autonomia, está percebendo e se encontrando com suas potencialidades adormecidas).

Afrontar esse ímpeto comum ao crescimento não é a melhor saída. Calma, isso não significa que você deve acatar tudo o que ela diz! Fomos buscar algumas dicas de como lidar com esse tipo de situação com a Bete Rodrigues, especialista em Disciplina Positiva – uma abordagem que tem por objetivo desenvolver as habilidades socioemocionais nas crianças por meio de ferramentas que tornem mais saudáveis e amorosos os relacionamentos entre mães e pais com seus filhos e educadores com seus alunos.

Dica 1 – Escolhas limitadas

Você pode dar espaço para ela decidir o que quer fazer oferecendo opções que resultem no que precisa ser feito naquele momento. Por exemplo: “Você prefere o patinho de borracha ou o navio para te fazer companhia no banho? Escolha.” A condição de escolher, poder optar entre uma ou outra, faz com que ela se sinta reconhecida em sua maturidade. E provavelmente ela irá para o chuveiro feliz com o brinquedo escolhido!

Dica 2 – Pedido de ajuda

Já reparou na carinha dos bebês quando conquistam alguma coisa, como quando começam a andar por conta própria? Pois é, realizar algo a que se propõe dá uma satisfação enorme, torna aquele momento muito especial. 

Por que não pedir à criança, então, ajuda em algumas tarefas que ela dá conta de fazer sem suporte? Isso vai trabalhar não só a autonomia, como também a autoconfiança, uma vez que ela se sentirá estimulada a viver novos desafios e a conquistá-los.   

Dica 3 – Gentileza e firmeza ao mesmo tempo

Utilizando o caso da primeira dica: Pode ser que ela responda “eu não vou tomar banho!”. Daí, entra em jogo a firmeza. Importante: firmeza, não rudeza. Continue a dizer que aquela é a hora do banho, mas você pode fazer isso com gentileza, validando o que ela está sentindo naquele momento: “Eu sei que você está chateada por termos de fazer isso agora, também fico chateada algumas vezes com coisas que não quero ou não gosto de fazer, mas não é saudável tomar banho depois do jantar… Vamos lá, escolha o patinho ou o navio para te acompanhar no banho.”

Para a criança, desejar o poder é uma forma de reconhecer a si mesma como capaz e ajuda a fazer crescer a vontade pela busca do conhecimento e pela conquista, imprescindíveis nos primeiros anos de vida. É nesse período, afinal, que construímos a nossa base socioemocional. O que somos, como adultos, diz muito de quem fomos na infância!

Gostou dessas dicas? Quer conhecer mais sobre essa abordagem amorosa?

Nós convidamos a Bete Rodrigues para aprofundar o tema Disciplina Positiva e apresentar outras muitas ferramentas simples e eficazes para lidar com situações difíceis junto às crianças e aos adolescentes e o resultado são dois cursos online cheios de exemplos da vida real para você por em prática e já perceber os resultados. 

Os cursos são estes aqui:

Disciplina Positiva para crianças pequenas: https://cursos.educacaoparapaz.com.br/ 

Disciplina Positiva para adolescentes: https://www.hotmart.com/product/disciplina-positiva-para-adolescentes/T16597427X?off=j6wiae95 

Novidade: Estamos produzindo um terceiro curso sobre Disciplina Positiva com foco na faixa etária dos 6 aos 12 anos. Logo logo estará disponível e nós divulgaremos em nossas redes sociais! 

Sobre a Bete

Bernadette Pereira Rodrigues é graduada e licenciada em Letras (Português e Inglês) e Mestre em Linguística Aplicada pela PUC – SP. Trainer em Disciplina Positiva para pais reconhecida pela Positive Discipline Association (da qual é membro), Coach pelo ICI (Integrated Coaching Institute) especializada em atendimento de pais, psicólogos e educadores. É diplomada em Neurolinguística pela International Neuro-Linguistic Programming Trainers Association. Co-tradutora de seis livros, entre os quais: Disciplina Positiva; Disciplina Positiva em sala de aula; Disciplina Positiva para crianças de 0 a 3 anos; Disciplina Positiva para adolescentes e os baralhos Disciplina Positiva para educar filhos, Disciplina Positiva para professores, Disciplina Positiva para casais.

Livros sobre Disciplina Positiva: https://www.omnisciencia.com.br/buscar?q=disciplina+positiva